Blog Santo Antônio
Notícias
10
Nov / 2020

OFERTAS RELÂMPAGO

 

Fonte: Grupo Santo Antonio

Fonte: Grupo Santo Antonio

Fonte: Grupo Santo Antonio

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu suspender temporariamente o ensaio clínico da Coronavac, vacina testada pelo Instituto Butantan (São Paulo). A interrupção por conta de um "evento adverso grave" foi anunciada nesta segunda-feira (9).

 

Segundo o G1, a Anvisa disse que foi notificada de um efeito adverso grave em 29 de outubro, a agência não informou, no entanto, a causa específica da suspensão. São considerados "eventos adversos graves". Com a interrupção do estudo, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado.

 

Entre os eventos estão: morte, evento adverso potencialmente fatal, incapacidade ou invalidez persistente, internação hospitalar do paciente, anomalia congênita ou defeito de nascimento, qualquer suspeita de transmissão de agente infeccioso por meio de um dispositivo médico e evento clinicamente significante.

Fonte: Bahia Notícias

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso no Brasil do primeiro spray nasal para o tratamento de casos graves de pacientes com depressão.

 

Segundo a fabricante da droga, a escetamina intranasal é indicada para a depressão resistente ao tratamento (DRT) e para a rápida redução dos sintomas depressivos em pessoas adultas com comportamento suicida agudo, de acordo com a Agência Brasil. 

 

“O medicamento tem demonstrado rápido início de ação com perfil risco benefício favorável e tolerabilidade do paciente ao tratamento. Os resultados de dois ensaios clínicos idênticos de Fase 3 demonstraram que a escetamina em conjunto com a terapia padrão reduziu os sintomas depressivos em até 24 horas após a primeira dose”, destacou, em comunicado, a Janssen-Cilag Farmacêutica, fabricante da droga.

 

A escetamina intranasal deverá ser administrada somente em hospitais e clínicas autorizadas, sob supervisão de um profissional de saúde. 

 

De acordo com dados do Sistema Único de Saúde (SUS), entre 2015 e 2018, houve aumento de 52% nos atendimentos ambulatorial e de internação relacionados à depressão no país, passando de 79.654 para 121.341 procedimentos. Na faixa etária de 15 a 29 anos, o aumento foi de 115%, passando de 12.698 para 27.363 procedimentos.

Fonte: Bahia Notícias

Um suspeito de tráfico de drogas, responsável pelo envio de entorpecentes de São Paulo para uma organização criminosa na Bahia, chegou a capital baiana na madrugada desta terça-feira (10). Ele foi um dos alvos de prisão da Operação Ícaro, deflagrada pelas polícias Civil e Militar nos dois estados, nessa segunda (9).

 

 

Equipes do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) capturaram o foragido da Justiça, na cidade paulista de Ribeirão Preto.

 

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), ele atuava como gerente da organização criminosa. Em São Paulo, o suspeito organizava remessas de maconha, cocaína e crack, além de armas e munições para os comparsas baianos. Os materiais ilícitos eram direcionados para o bairro de Sussuarana, na capital, e para as cidades de Camaçari e Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador (RMS). 

 

Detido, o homem veio para Salvador em um voo comercial, acompanhado por investigadores do Draco, e foi escoltado por equipes da Coordenação de Operações Especiais (COE) na pista do Aeroporto Internacional de Salvador. Após depoimentos e exames, ele seguirá para o sistema prisional.

 

A ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

A SSP-BA aponta que o suspeito trazido de Ribeirão Preto integra uma facção que movimentava R$ 2 milhões por mês com tráfico de drogas, roubos a bancos e lavagem de dinheiro. Quatorze mandados foram cumpridos por equipes do Draco, CPR Central, COE, Rondesp Central, Polinter, 48ª CIPM (Sussuarana) e GSI da Seap (saiba mais aqui). DPT e MPE deram apoio.

 

Com a organização criminosa foram apreendidos R$ 300 mil em espécie, pouco mais de 300 kg de entorpecentes, uma espingarda e seis veículos. Além disso, a Justiça autorizou o sequestro de um apartamento no bairro de Imbuí, em Salvador, e o bloqueio de 32 contas bancárias. (Atualizada às 6h54)

Fonte: Bahia Notícias

Estudantes de escolas particulares de Luís Eduardo Magalhães, no Extremo Oeste, voltaram a ter aulas presenciais nesta segunda-feira (9). O fato ocorre após a prefeitura liberar a retomada gradual das aulas presenciais através de decreto no último dia 30 de outubro. Segundo o G1, em torno de 3,7 mil alunos estudam nas 27 escolas particulares dos ensinos fundamental e médio existentes no município. Há cerca de dois meses, o ensino infantil teve as atividades presenciais retomadas como forma de atender a crianças com dificuldade de aprendizagem.

 

Desde o começo da pandemia, os estudantes que cursam o ensino fundamental e o médio continuavam as aulas online. Mesmo liberadas as aulas presenciais, as escolas precisam cumprir protocolos contra a Covid-19. É preciso disponibilizar álcool em gel, exigir o uso de máscaras para todos, além de aferir temperatura de todos na entrada da escola. Nesta fase, as aulas duram até 3h30.

 

Um túnel para desinfecção foi instalado em uma das escolas, mas a medida não foi aconselhada pelo secretário de saúde do estado, Fábio Vilas- Boas. Para ele, o túnel deve ser usado em unidades de saúde para desinfetar roupas de proteção, máscaras e toucas.

Fonte: Bahia Notícias

Pouco tempo depois de as farmacêuticas Pfizer e BioNTech afirmarem que sua candidata à vacina possui 90% de eficácia contra o novo coronavírus, a Rússia comunicou, nesta segunda-feira (9) que a Sputnik V, imunizante desenvolvido no país, alcançou o mesmo índice. 

 

"Com base em nossas observações, também é superior a 90%. O aparecimento de outra vacina eficaz – esta é uma boa notícia para todos", declarou Oksana Drapkina, diretora de um instituto de pesquisa do Ministério da Saúde da Rússia, por meio de comunicado. Porém, não foram publicados ainda estudos que embasassem os anúncios da Rússia ou das farmacêuticas.

 

A taxa de eficácia é calculada com base na quantidade de pessoas que receberam a vacina nos testes de fase 3 e não desenvolveram sintomas. Uma taxa de 90% significa que 9 em cada 10 pacientes não ficaram doentes após a aplicação do imunizante. 

Fonte: Bahia Notícias

Com a falta de energia no Amapá, moradores da capital do estado chegaram à situação de abrir poço no quintal de casa para retirar água manualmente, por causa das bombas de água paralisadas. Há quem tenha ficado sem água até para tomar remédio e precisou apelar para enlatados por não ter como refrigerar alimentos. Parentes em outros estados manifestaram preocupação sem poder ajudar.

A advogada Débora Borralho conta que seu pai, Dejaí Borralho, não tinha água em casa nem para tomar seus remédios. "Entrei em desespero porque meu pai é idoso, doente e teve quatro AVCs em um ano. Ele perdeu a fala, tem locomoção limitada e precisa de medicação o tempo todo".

A advogada conseguiu ajuda para o pai por meio das redes sociais. "Um ex-professor meu da faculdade viu meu apelo na internet e disse que poderia ceder um garrafão de água para meu pai. Para a comida, minha mãe comprou enlatados, como sardinha, salsicha e biscoitos para que eles pudessem se alimentar", explica.

Para Ana Barros, 25, ficar sem comunicação foi horrível, mas não ter água foi pior. "Nós temos alguns baldes com água, mas não é própria para consumo, era pra tomar banho, lavar louça, essas coisas. Mas a sede era tanta que nós usamos para beber mesmo. No início, nós fervíamos a água, mas o gás estava acabando, e não tinha como comprar. Depois colocamos água sanitária, mas eu sentia muita dor no estômago, então não dava para beber direito, era só no golezinho para não desidratar".

Ana mora com o irmão, Lucas Mateus, 21, que tem paralisia cerebral. Lucas não conseguia dormir com o calor, estava com dificuldades para comer e tomar banho. "Foi horrível, desesperador. Eu nem tenho como expressar tudo que estamos passando", relata Ana.

Desempregada, Janaína Teodoro, 32, mora com a mãe, de 71 anos, uma filha de sete e outra de 12 anos. A sede era tanta que ela pediu para que seus irmãos e vizinhos cavassem um poço artesiano em sua casa. O trabalho começou na sexta-feira (6), e deve ser concluído até terça.

"Foram de longe os piores dias que já vivi. No segundo dia, já não tínhamos comida e nem água potável. Minha filha de sete anos não conseguia dormir por causa da sede, pedia água direto. Então a nossa única solução foi cavar um poço de imediato", conta.

"Minha mãe está mantendo a casa com o pouco que ganha de benefício e tudo estava muito caro. Nunca vou esquecer da dor em ver comida indo para o lixo", relata.

Com uma temperatura média de 35°C, o ventilador e o ar-condicionado tornaram-se necessidade básicas para um amapaense. Mãe de Luiz Paulo, de 27 dias, João Paulo, 1 ano e 9 meses, e Lara, 15, a nutricionista Priscila Monteiro conta que esses dias foram os mais cruéis por causa do calor e da corrida atrás de gelo pra não perder o que tinham na geladeira.

"A nossa caixa-d'água secou, o tempo abriu, veio aquele calor abafado e começou nosso tormento. Não tínhamos água para nos refrescarmos, a água pra beber era quente e regrada. Como distrair um bebê do calor sem ter como?", conta ela.

A nutricionista e seu marido, Paulo, alternavam quem embalava as crianças na rede para não acordarem: "As noites foram bem difíceis, pois não chovia, estava quente, sem vento e com muito mosquito. Aí ficamos ainda mais angustiados, indignados e obviamente cansados em ficar abanando filhos, embalando rede ou os dois ao mesmo tempo. De tudo isso não tiro a imagem do Paulo chorando por não saber o que fazer pelo choro do nosso filho. Foi uma das cenas que mais me comoveram, eu queria ajudar e não sabia como", relata.

O fornecimento de energia e água está sendo restabelecido aos poucos, em rodízio de seis em seis horas. Segundo o governo do Amapá, 70% do sistema de abastecimento já havia sido restabelecido neste domingo.

A Prefeitura de Macapá está fornecendo água para a população em algumas escolas da capital. Em nota, o governo afirmou que está distribuindo frascos de hipoclorito de sódio, produto utilizado para purificar a água para consumo humano, além dos 75 mil litros de água potável por dia.

Fonte: Bahia Notícias
09
Nov / 2020

OFERTAS RELÂMPAGO

 

Fonte: Grupo Santo Antonio

Para evitar uma conotação de discriminação racial, a Defensoria Pública do Amazonas pediu aos comerciantes do estado que não utilizem o termo "Black Friday" em referência à última sexta-feira de novembro. Na data, as lojas costumam fazer promoções. A recomendação foi encaminhada para a Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus e para a Associação Comercial do Amazonas.  

 

A Defensoria diz que no Brasil o termo é utilizado fora de contexto e que pode levar a entender que dia “preto” é “promocional". No lugar de "Black Friday", a Defensoria recomenda a utilização de "Semana Promocional". A mudança visa, de acordo com a Defensoria, "o respeito às comunidades afrodescendentes diretamente afetadas pela utilização atual do termo".  

 

O texto é assinado por Christiano Pinheiro da Costa, coordenador do Núcleo de Defesa do Consumidor, e Leonardo Cunha e Silva de Aguiar, titular da 2ª Defensoria Pública de Atendimento ao Consumidor.  

 

Ao UOL, o professor de sociologia da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Fabio Mariano Borges, afirmou que existem duas teses sobre a origem da expressão "Black Friday". A primeira, seria dos Estados Unidos, no período da escravidão, quando os negros vindos da África eram comprados, agredidos e vendidos como mercadoria. 

 

A segunda versão remontando aos anos de 1950. Depois do feriado do Dia de Ação de Graças, comerciantes norte-americanos precisavam esvaziar os estoques e se preparar para o Natal. Por isso, diminuíam os preços dos produtos. O professor diz que, na área financeira "black" tem uma conotação equivalente ao "estar no azul" brasileiro. A Agência Lupa apontou que é falso que o termo tenha origens racistas. 

 

  • Uma série de empresas não deverão adotar o termo neste ano, como o Boticário e Adidas. 
Fonte: Bahia Notícias

Um homem considerado com o maior produtor de maconha do centro-norte da Bahia foi preso na manhã deste sábado (7), em Jacobina. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-Ba), o produtor estava foragido há três anos. A identidade não foi revelada pela pasta. 

 

Segundo a SSP, a descoberta do paradeiro do home foi feita através de ações de inteligência realizadas por policiais civis da Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes (DTE) de Irecê. 

 

Os policiais montaram uma campana na feira livre de Jacobina, e os investigadores, disfarçados de consumidores, efetuaram a prisão do homem. A pasta diz que o homem é um dos fundadores de uma facção com atuações nos bairros de Nordestes de Amaralina e Cosme de Farias, em Salvador, além das cidades de Feira de Santana, Xique-Xique, Jacobina e Irecê. 

 

O produtor de maconha foi apresentado na Delegacia de Irecê, onde o mandado de prisão expedido pela Comarca de Salvador foi cumprido. Após depoimento e exames, ele será encaminhado para o Complexo Penitenciário de Mata Escura, em Salvador. 

Fonte: Bahia Notícias

Após ter sequenciado os primeiros genomas do novo coronavírus na América Latina, a cientista brasileira Jaqueline Goes de Jesus foi convidada, na última quinta-feira (5), para de uma equipe de pesquisadores da Organização das Nações Unidas (ONU). Batizada de #TeamHalo, a iniciativa visa apoiar a colaboração entre cientistas de todo o mundo na pesquisa de vacinas seguras e eficazes contra a Covid-19.

 

Jaqueline ficou conhecida por ter sido uma das responsáveis pelo sequenciamento genético do novo coronavírus dos primeiros casos de covid-19 na América Latina. Entre outras ações, os cientistas integrantes da equipe postam vídeos em redes sociais mostrando o cotidiano de trabalho, além de responder perguntas do público e esclarecer sobre boatos e informações incorretas, de acordo com a Agência Brasil. 

 

Segundo a ONU, os cientistas desejam enfatizar a natureza global do trabalho e reconhecer a contribuição de milhares de pessoas ao redor do mundo para conter a pandemia. Os vídeos podem ser acessados no Twitter  e no Tik Tok.

 

"A campanha envolve profissionais de vários países do mundo e de respeitadas instituições, como a Universidade de São Paulo (USP), Harvard, Imperial College London e Wits University, que estão em busca da vacina para pôr fim à pandemia. Eles aceitaram o desafio de atualizar e aproximar o público de seus trabalhos em perfis nas redes sociais", informou a ONU.

 

Atualmente, Jaqueline é pesquisadora bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), em nível de pós-doutorado, no Instituto de Medicina Tropical de São Paulo - Universidade de São Paulo (IMT-USP). Para a cientista, a iniciativa favorece uma comunicação mais acessível e didática com o público e ajuda a combater a onda de desinformação que tem levado um número significativo de pessoas a desconfiar da eficácia das vacinas. 

 

“Trazer informações para a população sobre o que temos feito em uma linguagem mais simples é uma forma de devolver à sociedade todo o investimento que tem sido feito ao longo dos anos. Eu criei um perfil no TikTok para começar a produzir conteúdos para o projeto e estou gostando bastante. Estou aprendendo a usar a ferramenta e descobrindo um mundo de possibilidades criativas”, disse.

 

Além da cientista, o Brasil conta com mais três parceiros: os pesquisadores Natalia Pasternak, Gustavo Cabral de Miranda e Rômulo Neris. Natalia Pasternak atua como pesquisadora visitante do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, no Laboratório de Desenvolvimento de Vacinas (LDV), e diretora-presidente do Instituto Questão de Ciência. Gustavo de Miranda lidera a pesquisa de desenvolvimento de vacinas contra o novo coronavírus, assim como vacinas para chikungunya e zika vírus, no Departamento de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da USP. Enquanto  Rômulo Neris tem como foco de sua pesquisa de doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) a forma como o sistema imune reage ao novo coronavírus. 

Fonte: Bahia Notícias

Minutos após o anúncio da vitória de Joe Biden nas eleições americanas, advogados da campanha de Donald Trump questionaram a validade de mais de 600 mil cédulas de votação na Pensilvânia, estado que chancelou a vitória do candidato democrata.

Em entrevista coletiva neste sábado (7), na Filadélfia, Rudy Giuliani, ex-prefeito de Nova York e advogado pessoal de Trump, disse que o republicano "não vai conceder [a vitória] quando há ao menos 600 mil cédulas questionadas".

Segundo a equipe do atual presidente, os votos em xeque não foram inspecionados por observadores do Partido Republicano. Giuliani disse que os casos suspeitos são de cédulas que vieram pelo correio, ecoando a narrativa de Trump -sem evidências- segundo a qual os votos nessa modalidade são "ilegais" e fazem parte de um golpe do Partido Democrata.

"Temos muitas testemunhas. Não são casos pequenos", disse Giuliani, acrescentando que recebeu denúncias também de outros estados, como Geórgia e Michigan.

Um morador da Filadélfia foi chamado para dar seu relato sobre uma fraude que teria flagrado. "Eles nos deixaram a 20 pés [cerca de sete metros] da contagem dos votos", afirmou, referindo-se à distância que os observadores deveriam guardar dos funcionários que processavam as cédulas.

Segundo Giuliani, o Partido Republicano deve continuar a enxurrada de questionamentos na Justiça na segunda-feira (9).

Fonte: Bahia Notícias

Cerca de 30 quilos de cocaína foram apreendidos na noite deste sábado (7) em um trecho da BR-116 de Feira de Santana. A ação ocorreu durante a Operação Arrebol da Polícia Militar feita a cada semana no município. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA), o material apreendido, em tabletes de pasta base, foi avaliado em R$ 750 mil. A carga foi encontrada dentro de um veículo Hylux com placa de Brasília.

 

Os policiais faziam ações preventivas, no entorno de Feira de Santana, quando avistaram um carro que fugia de uma barreira na BR-116. Foi quando militares da 66ª e 67ª CIPMs, Esquadrão Asa Branca e 4° BPM iniciaram a perseguição.  Ainda segundo a SSP-BA, os acusados acessaram a BR-324 e depois seguiram pela BR-101 até o município de Conceição do Jacuípe, na mesma região de Feira. Em frente a uma pousada, às margens da rodovia federal, o carro foi abandonado e os ocupantes conseguiram fugir pela mata.

 

Com ajuda de um cão farejador da PM, as equipes encontraram 30 tabletes de pasta base de cocaína dentro do automóvel. Todo o material e documentos do condutor do veículo foram apresentados na Central de Flagrantes de Sobradinho, em Feira de Santana.

Fonte: Bahia Notícias

A desigualdade educacional aprofundou em 57,5% dos municípios brasileiros entre 2015 e 2019. Nessas cidades, a diferença de desempenho dos estudantes entre escolas com maior e menor rendimento aumentou mais do que o esperado para o período.

Os dados são de um levantamento feito pelo Todos pela Educação, que comparou os resultados do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) entre a média do grupo de 10% das escolas com maior e com menor desempenho em cada município.

O estudo analisou os dados das escolas das redes municipais nos anos iniciais do ensino fundamental (do 1º ao 6º ano). As prefeituras são responsáveis pela matrícula de 70% dos 15 milhões de estudantes nessa etapa da educação.

Na maior parte das cidades em que a desigualdade aumentou, o que se verificou foi que as escolas que já tinham Ideb mais baixo em 2015 não conseguiram melhorar o desempenho ou atingir a meta estabelecida para 2019, enquanto, as unidades com maior índice conseguiram melhorar ainda mais seus resultados.

O Ideb é o principal termômetro da educação brasileira e é calculado a cada dois anos pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), órgão do Ministério da Educação. O indicador é calculado com as notas dos alunos nas provas de matemática e língua portuguesa e as taxas de aprovação escolar.

O aumento da desigualdade é verificado antes mesmo da pandemia, que, com a suspensão das aulas presenciais em todo o país, aprofundou ainda mais as dificuldades dos estudantes e escancarou a diferença de recursos entre eles. Por isso, os responsáveis pelo estudo alertam para a necessidade urgente de políticas para reduzir essas disparidades.

"Os indicadores pré-pandemia já eram bastante preocupantes e mostram que a desigualdade já tinha crescido. A tendência é de que, com a suspensão das aulas, ela aumente. É importante que os próximos prefeitos tenham consciência de que as escolas dos seus municípios são diferentes e tenham políticas pensando nisso", diz Gabriel Côrrea, líder de políticas educacionais do Todos pela Educação.

Para ele, o importante é reconhecer e identificar as diferentes realidades dentro dos municípios, uma vez que dados gerais podem esconder os problemas nas escolas. No Ideb 2019, por exemplo, 79% dos municípios brasileiros tiveram melhora no indicador, mas em 58% deles houve aumento na desigualdade entre as unidades escolares.

Nas 26 capitais do país, ainda que 20 delas tenham melhorado o desempenho, apenas 15 conseguiram reduzir a desigualdade entre os grupos de escolas com os menores e maiores Ideb. Rio Branco, no Acre, que obteve a segunda maior média entre as capitais, é a que tem maior diferença entre seus colégios.

"Quando os dados são divulgados, muitos gestores públicos destacam e comemoram seu desempenho. No entanto, muitas vezes, esse avanço é ao custo de aumentar a desigualdade entre os estudantes", diz Caio Sato, coordenador do núcleo de inteligência do Todos pela Educação.

Apesar de haver forte relação entre a desigualdade educacional e a econômica, o estudo destaca que são estados menos ricos que têm conseguido reduzir as disparidades.

O Ceará, por exemplo, é o estado com maior proporção de municípios (56,8%) que conseguiram diminuir as diferenças entre as escolas com maiores e menores notas. Estado mais rico do país, São Paulo só teve essa redução em 36,6% de suas cidades.

Para eles, o alerta é que, mesmo os municípios com melhora na média, precisam olhar para as desigualdades dentro de sua rede de ensino.

Em São Paulo, por exemplo, a rede municipal atingiu a noa 6 para os anos iniciais do fundamental. No entanto, no grupo de 10% das escolas com menor nota, a média do indicador foi de 5,3, ainda que a desigualdade tenha sido diminuída desde 2015.

"Avançar na média não é suficiente, é preciso avançar atendendo a todos os alunos. E o próximo ano coloca um cenário mais desafiador ainda porque são essas crianças que já estavam pra trás que mais devem ter sofrido os impactos da pandemia", diz Côrrea.

Apesar dessas disparidades de ensino nas escolas municipais, nenhum candidato a prefeito de São Paulo apresenta em suas propostas de governo ações voltadas para reduzir as desigualdades de aprendizagem. Dois deles, Celso Russomano (Republicanos) e Arthur do Val, o Mamãe Falei (Patriota), ainda propõem uma política de bonificação para professores de escolas com maior desempenho.

"Políticas que premiam melhores resultados tendem a aumentar as desigualdades, porque se premia quem já estava na frente. Elas não ajudam quem está com mais dificuldade. O que ajuda é suporte para a gestão escolar, apoio pedagógico para o professor", diz Côrrea.

O estudo também destaca que o fato de as desigualdades educacionais já serem tão presentes nos anos iniciais da educação básica mostra a necessidade de ações intersetoriais para apoiar os alunos.

"A escola não resolve tudo sozinha. É preciso políticas articuladas com saúde, assistência social para essas crianças e suas famílias."

Fonte: Bahia Notícias

Após apresentar três dias em alta, o número de casos ativos de Covid-19 no estado voltou a cair. É o que aponta o boletim emitido pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) neste domingo (8).

 

De acordo com a pasta, são 5.845 casos ativos do novo coronavírus no momento, ante 6.067 do último sábado (7). 

 

Somente nas últimas 24h, foram constatados 583 novos casos da doença, totalizando, desde o início da pandemia, 363.146. O novo boletim também acresceu mais 20 óbitos. Com isso, 7.796 pessoas perderam a vida na Bahia em decorrência do coronavírua.

Fonte: Bahia Notícias

A fim de identificar e desarticular a atuação de indivíduos e organizações criminosas que cometeram fraudes para obter o Auxílio Emergencial, a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Primeira Parcela, na manhã desta segunda-feira (9). São quatro mandados de prisão e 10 de busca e apreensão, cumpridos nos estados de São Paulo, Tocantins e Bahia.

 

 

Desse total, 11 são no território baiano - os quatro de prisão e sete de busca e apreensão, todos no município de Simões Filho, na região metropolitana de Salvador. Os atos foram expedidos pela 17ª Vara Criminal da Justiça Federal, que autorizou ainda a quebra do sigilo bancário das contas dos investigados, o bloqueio dos valores ali depositados e o sequestro de veículos usados pelos integrantes da organização criminosa.

 

De acordo com a PF, os investigadores detectaram que os suspeitos utilizaram, indevidamente, dados das vítimas para realizar o cadastro do Auxílio Emergencial e, em seguida, transferiram os valores para suas próprias contas por meio de boletos bancários. Os dados analisados referentes a apenas uma semana indicam que a quadrilha cadastrou pelo menos 59 contas de forma fraudulenta, num desvio de cerca de R$ 33 mil. Mas a expectativa é de que a fraude seja muito maior.

 

Diante disso, os autores vão responder pelos crimes de furto qualificado mediante fraude (art. 155, § 4º, II, Código Penal), lavagem de dinheiro (art. 1º, Lei 9.613/1998) e organização criminosa (art. 2º, Lei 12.850/2013), cujas penas, somadas, podem alcançar até 26 anos de reclusão.

Fonte: Bahia Notícias

 

Fonte: Grupo Santo Antonio

A fim de identificar e desarticular a atuação de indivíduos e organizações criminosas que cometeram fraudes para obter o Auxílio Emergencial, a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Primeira Parcela, na manhã desta segunda-feira (9). São quatro mandados de prisão e 10 de busca e apreensão, cumpridos nos estados de São Paulo, Tocantins e Bahia.

 

 

Desse total, 11 são no território baiano - os quatro de prisão e sete de busca e apreensão, todos no município de Simões Filho, na região metropolitana de Salvador. Os atos foram expedidos pela 17ª Vara Criminal da Justiça Federal, que autorizou ainda a quebra do sigilo bancário das contas dos investigados, o bloqueio dos valores ali depositados e o sequestro de veículos usados pelos integrantes da organização criminosa.

 

De acordo com a PF, os investigadores detectaram que os suspeitos utilizaram, indevidamente, dados das vítimas para realizar o cadastro do Auxílio Emergencial e, em seguida, transferiram os valores para suas próprias contas por meio de boletos bancários. Os dados analisados referentes a apenas uma semana indicam que a quadrilha cadastrou pelo menos 59 contas de forma fraudulenta, num desvio de cerca de R$ 33 mil. Mas a expectativa é de que a fraude seja muito maior.

 

Diante disso, os autores vão responder pelos crimes de furto qualificado mediante fraude (art. 155, § 4º, II, Código Penal), lavagem de dinheiro (art. 1º, Lei 9.613/1998) e organização criminosa (art. 2º, Lei 12.850/2013), cujas penas, somadas, podem alcançar até 26 anos de reclusão.

Fonte: Bahia Notícias
  Curta nossa página
  PUBLICIDADE

| Todos os Direitos Reservados |